MARCAS
VEJA TODAS AS MARCAS
Alô Bebê na Copa
Você está em: Portal > Revista > A adoção no Brasil
Assunto: Criança

A adoção no Brasil

01/08/2006

 

Especialistas afirmam que o perfil idealizado pelos interessados em adotar um filho está na contramão do que se encontra nos abrigos do país. Esclarecer a vida desses pequenos pode diminuir a fila para quem pretende adotar uma criança. A maioria dos brasileiros sabe que este é um país multicultural, formado por diversas etnias, costumes e com realidades sociais distintas. Mas em alguns aspectos, a sociedade não contempla este fato.

O perfil das crianças desejadas por candidatos a adotar um filho é um exemplo. Embora boa parte dos menores abrigados nas instituições para esse fim no Brasil seja formada por afro-descendentes (63,6%) e 61,3%1 deles tenham entre 7 e 15 anos, a maior parte dos interessados em adoção procura por bebês com pele clara.

De acordo com Marta Wiering Yamaoka, psicóloga judiciária da Vara da Infância e Juventude de São Bernardo do Campo, a maior dificuldade é encontrar pessoas interessadas nas crianças que estão para a adoção. “Grande parte dos candidatos desejam meninas, ainda muito pequenas e brancas. Esse é o motivo mais relevante para a demora do processo”, afirma.

Segundo dados divulgados pela ONG Associazione Amici dei Bambini (Ai.Bi), 72% dos brasileiros preferem adotar uma criança branca, destes, 67% querem que seja um bebê com cerca de 6 meses, sendo que 99% efetivam a adoção de crianças com até 1 ano de idade. Entre os estrangeiros, 48% aceitam crianças com até 4 anos e cai para 13% o número de pessoas interessadas em crianças com a pele clara.

O estado de saúde também pode representar um impedimento para que esses pequenos encontrem uma nova família. Enquanto 36% dos estrangeiros se dispuseram a adotar crianças acometidas por alguma complicação de saúde, a maioria das crianças adotadas no Brasil não tem esse perfil.

Para Janaína Soares Pereira, assistente social, mãe adotiva e presidente do Grupo de Estudos e Apoio à Adoção de São Bernardo do Campo (GEAA – SBC), os trâmites legais e econômicos não são os maiores empecilhos. “Qualquer pessoa pode se candidatar, solteira ou casada. O importante é ter alguma estabilidade financeira, um emprego fixo ou autônomo, e que viva em condições adequadas para abrigar uma criança.”

Para diminuir a distância entre as crianças e as famílias interessadas em adotar, Janaína acredita que é preciso mostrar à sociedade a vida de quem carece de um lar. A realização de debates e a troca de experiências auxiliam a amadurecer a decisão dos adultos. A mídia, por meio de campanhas e novelas, vem explorando o tema da adoção “tardia” e ajudando a esclarecer esses mitos. “Os interessados em adotar uma criança precisam conhecer mais nossa realidade social. Enquanto isso não acontecer, candidatos a pais e a filhos não conseguirão se encontrar e as crianças continuarão a crescer nos abrigos.”

Segundo a assistente social, as famílias temem que a partir de determinada idade, a criança carregue vícios de educação que não poderão ser mudados. Para ela, as dificuldades de criar filhos adotivos e biológicos são similares. Ambos precisam de atenção, de limite, de paciência e de amor. “Tratam-se apenas de crianças que chegaram em uma família de forma diferente.”

Mais importante que a idade, o sexo ou a etnia do adotado é que os pretendentes estejam cientes das responsabilidades que a maternidade e a paternidade requerem e que um novo membro muda a dinâmica da família.

De acordo com Marta, a fase de adaptação, que corresponde ao período de guarda provisória, é importante não só para a família, mas principalmente para a criança. Caso o processo de adoção não venha a dar certo, o risco de ela se sentir rejeitada é muito grande. Em relação aos pais, Marta considera que um dos maiores temores é a possibilidade da mãe biológica requerer a guarda da criança. Ela afirma que se o processo de adoção não for realizado sob as regras da lei, a mãe biológica poderá recuperar a guarda do filho. Por esse e outros motivos, o número de pessoas que recorrem a instituições especializadas, sobretudo a grupos de apoio, em busca de informações tem-se tornado mais frequente. A atitude esclarece sobre os trâmites legais e conscientiza famílias sobre a importância de adotar crianças com mais idade, de raças distintas e até grupos de irmãos.

Veja os principais documentos para adotar uma criança:

Atestado de saúde (sanidade) física e mental (expedido por médico);

Identidade;

CPF;

Certidão de casamento ou nascimento;

Comprovante de residência;

Comprovante de rendimentos ou declaração equivalente;
 
Certidões cível e criminal.

Todas as informação sobre o processo de adoção você encontra no site do Conselho Nacional de Justiça.

Informações: 

GEAA – SBC 
Vara da Infância e da Juventude /Juizado Especial Cível SP
Fone/Faz : (11) 4123-5613/ 4330-1878

Amici dei Bambini

Assoc. Nacional dos Grupos de Apoio à Adoção (ANGAAD)

Fone: (21) 2613-2042/ 2622-6968

Publicação:
Dezembro 2007 - Edição: 30

Avaliar:(+ ) (- ) +-