.

X

Entre ou cadastre-se

Passeio >

Banho e Higiene >

Quarto e Enxoval >

Alimentação >

Roupas >

Saúde >

Brinquedos >

NOSSOS SERVIÇOS

Nossas Lojas >

Meus Pedidos >

Lista de Chá de Bebê >

Lista de Desejos >

Programa de Fidelidade >

Cartão Presente >

Fale Conosco >

 .
 .
Compartilhar com
 

Microcefalia: o que fazer com essa notícia?

microcefalia

Quando está esperando o bebê, todas as mamães imaginam como o filho será perfeito. No entanto, nem sempre o pequeno se desenvolve como deveria, e pode apresentar sinais de que haverá complicações ainda na gestação. Este é o caso da microcefalia, uma condição que faz a cabeça do bebê ser igual ou menor do que 32 centímetros.

A microcefalia pode ser diagnosticada ainda durante a gestação, por meio do ultrassom. Ela é causada por infecções adquiridas pelas mães, principalmente nos primeiros três meses de gravidez, período em que o cérebro do bebê está em desenvolvimento. O uso de álcool e drogas, e ainda doenças como toxoplasmose, rubéola e citomegalivírus são alguns dos perigos. Desde o último ano, o vírus Zika, transmitido pelo famoso “mosquito da dengue”, tem sido a razão de um surto da malformação no país.

Em 90% dos casos de microcefalia, as crianças apresentam um atraso no desenvolvimento neurológico, psíquico e motor, mas o tipo e a gravidade variam. Déficit cognitivo, problemas de visão e audição e epilepsia também podem ser identificados. A microcefalia não tem cura, mas é possível melhorar o desenvolvimento e a qualidade de vida dos pequenos, desde que o acompanhamento com neurologistas, fisioterapeutas, fonos e terapeutas ocupacionais seja iniciado ainda nos primeiros meses de vida das crianças.

A notícia é um choque para as famílias e, de início, é aceita de forma muito negativa pelas mamães e pelos papais. Os pais que já receberam a novidade relatam desespero e medo do futuro de suas crianças. Entretanto, eles foram capazes de superar a reação inicial para proporcionar amor e cuidados para seus filhos, não só durante a infância, mas por toda a vida.

Se você estiver passando por essa situação, saiba o que fazer e como se recompor após ouvir o diagnóstico de microcefalia:

Procure auxílio

Nessa hora, tudo bem desabar. Se você descobriu a condição durante a gestação, tire um tempo para absorver a novidade antes de dar o próximo passo. Agora, se a surpresa aconteceu no momento do parto, a sua recuperação, ou pelo menos a sua disposição de cuidar do bebê, precisa ser mais ágil, pois o pequeno depende de você para sobreviver. Muitos hospitais e centros especializados em microcefalia oferecem atendimento psicológico gratuito para as mamães que terão que lidar com essa condição, caso você não possa arcar com os custos de um terapeuta particular. Outra forma de conseguir reunir as suas forças novamente é se aproximando de outras mulheres que estão passando pela mesma situação, seja em um grupo na internet ou em um ambiente de acolhimento para as famílias. As histórias inspiradoras e os conselhos maternos experientes vão te ajudar a perceber que você e seu filho poderão enfrentar a microcefalia juntos!

Converse com a família

Em casos de microcefalia, pode acontecer um afastamento ou um abandono por parte do pai da criança. Preze pelo relacionamento, e converse com o seu parceiro sobre a novidade, e sobre o futuro, mas lembre-se de dar um tempo para que ele também absorva a notícia. Além disso, prepare-se para alinhar as expectativas da família em relação ao novo membro para evitar situações desagradáveis durante as visitas após o parto. Se identificar indícios de preconceito entre os familiares ou amigos, tente conscientizá-lo, e, se eles não estiverem abertos para a compreensão e inclusão do seu filho, simplesmente afaste-se deles.

Estude sobre o assunto

Por conta do surto do vírus Zika, a internet está repleta de informações atualizadas e de fácil acesso sobre a malformação. O estudo sobre a condição evoluiu muito, assim como as formas de tratamento e terapia para o pequeno. Por isso, faça pesquisas relacionadas aos melhores médicos para cuidar do seu filho, as atividades que você poderá fazer para estimulá-lo, a escolas que atendem às necessidades dele e outros assuntos pelos quais você está ansiosa em saber. Não deixe de conversar com outras mães e até mesmo com pessoas que sofrem com a doença e que já não são mais crianças. Você não vai achar todas as respostas, mas poderá comprovar que a convivência com a microcefalia é possível, e que seu filho te surpreenderá o tempo todo, proporcionando os melhores momentos da sua vida.

Faça adaptações para o bebê

Você só saberá todas as sequelas do pequeno conforme ele cresce. No entanto, desde o nascimento, é possível amenizar as dificuldades do seu filho e potencializar o seu desenvolvimento. Se a criança não enxerga, rearranje os móveis da casa, invista em brinquedos de texturas diferentes e procure por estímulos sonoros. Se a criança precisar de cadeira de rodas, procure por um modelo prático, funcional e que caiba na sua casa. Dependendo da sua rotina e de sua situação financeira, será necessário dedicar mais tempo para os cuidados com a criança ou contratar um profissional especializado para garantir que seu filho terá tudo o que precisa para se desenvolver.