A experiência do trabalho voluntário

Por iniciativa espontânea de indivíduos ou grupos, o voluntariado é um dos movimentos sociais que mais cresce no país. Solidariedade é a mola propulsora desse tipo de trabalho, que busca complementar ou suprir atividades onde o Estado vem mostrando incapacidade, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida da população.

Estatísticas da própria ONU revelam que o Brasil tem um enorme potencial de mobilização social e só é superado pela França na prestação de serviços voluntários. Simultaneamente, a cada dia mais empresas assumem a importância de apoiar iniciativas e ações de caráter social e as entidades organizadas com essa finalidade veem crescer as consultas de interessados em participar do trabalho. Algo em torno de 69% dos negócios brasileiros apoiam alguma causa.

E, se há algum tempo o voluntariado se concentrava especialmente na área da saúde e no atendimento a pessoas carentes, hoje, abriram-se inúmeras possibilidades, como, por exemplo, as áreas de educação, atividades esportivas e culturais, proteção ao meio ambiente e luta contra a violência.

Centro de Voluntariado

Criado em maio de 1997, o Centro de Voluntariado de São Paulo preocupou-se inicialmente em organizar a oferta de mão-de-obra voluntária e encaminhá-la às organizações sociais carentes de seu trabalho. Foi montado um grupo de estudos, que reuniu diversos segmentos da sociedade, e definiu-se a melhor forma de intermediação entre o voluntário e as entidades sociais.

"Mas nossa ação vai além da intermediação, porque percebemos que muitas organizações sociais não estavam preparadas para receber e gerenciar o trabalho voluntário", diz a superintendente do Centro de Voluntariado de São Paulo, Maria Amália Bel Del Muneratti. Ela informa que, além da intermediação, a entidade hoje atua na capacitação das organizações sociais. As entidades que atuam com o mesmo modelo da organização paulistana já somam 36 em todo o país.

Dez mandamentos do voluntariado

Todos podem ser voluntários. Não é necessário ser especialista em alguma coisa, o que conta é a motivação solidária, o desejo de ajudar, o prazer de se sentir útil.

Voluntariado é uma relação humana, rica e solidária, oportunidade para se fazer novos amigos, intercâmbios e adquirir aprendizado.

Trabalho voluntário é uma via de mão dupla: o voluntário doa e recebe. É uma experiência espontânea, alegre, prazerosa, gratificante.

Voluntariado é ação. É uma atividade criativa, decidida. Não é preciso pedir licença a ninguém antes de começar a agir. Quem quer, vai e faz. Mas a contribuição do voluntário deve estar bem articulada com as necessidades e procedimentos da entidade que o recebe.

Voluntariado é escolha. As formas de ação voluntária são tão variadas quanto as necessidades da comunidade e a criatividade do voluntário. Cada necessidade é uma oportunidade de ação voluntária. Basta olhar em volta e dar o primeiro passo.

Voluntariado é compromisso. Cada um contribui na medida de suas possibilidades, com aquilo que sabe e quer fazer. Uns têm mais tempo livre, outros só dispõem de algumas horas a cada semana. Cada compromisso assumido, no entanto, é para ser cumprido.

Cada um é voluntário a seu modo. Individualmente ou em grupo, o importante é a mobilização. No voluntariado é assim: não há fórmulas nem receitas a serem seguidas.

Voluntariado é uma ação duradoura e com qualidade. O voluntariado não compete com o trabalho remunerado nem com a ação do Estado. Uma sociedade participante e responsável, capaz de agir por si mesma, não espera tudo do Estado.

Voluntariado é uma ferramenta de integração social. Assegurar a todos o direito de serem voluntários significa construir uma sociedade mais tolerante com as diferenças, mais solidária e unida.

No voluntariado, todos ganham. Ao mobilizar energia, recursos e competências em prol de ações de interesse comum, o voluntariado combate a indiferença, a discriminação e a exclusão social e fortalece a solidariedade e a cidadania.