Amamentação com responsabilidade

De acordo com Alessandra Rebecchi Feitosa, doula e consultora de amamentação, além de ser mãe da Gabriela, de quatro anos, a busca pela informação é muito importante e traz tranquilidade para a mãe na hora de amamentar. “Sempre digo, não use a mama, mas sim a cabeça”, enfatiza a especialista.

Leite com propriedade

O Ministério da Saúde recomenda que o bebê seja alimentado exclusivamente, até os seis meses de idade, apenas com leite materno. Depois desse período a mãe complementa com comidinhas, mas, mesmo assim, não deixa de oferecer o leite materno até os dois anos ou mais. Essas recomendações também são dadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Alessandra concorda que não deveria ter data marcada para o desmame. “O leite materno é a principal fonte de nutrientes, pois, além de hidratar, ele nutre o bebê.” Além disso, com o leite ele se beneficiará ao receber os anticorpos da mãe.

O emocional atrapalha

Amamentar não foi uma experiência tranquila para a dentista Fabiana Leite Pereira Góes. Matheus acaba de completar cinco meses de idade, mas antes disso a mãe enfrentou um sério problema emocional que fez o leite secar. “Amamentei o Matheus até um mês e meio, depois passei a dar mamadeira e, após três meses, tentei dar leite no peito; ele pegou, mas não saiu nada”, lembra a mãe.

Fabiana foi aconselhada a alimentar o seu bebê com leite especial. No início ficou um pouco triste, mas com o tempo se conscientizou. “Não me recriminei. Sabia que estava fazendo as coisas da melhor forma possível. Hoje ele está saudável”, diz.

Para a doula Alessandra, o abalo emocional, a insegurança e a falta de amparo são algumas das complicações. O pós-parto é um momento em que os hormônios estão uma bagunça, uns aumentam, outros diminuem bruscamente. “Diante dessa situação a mãe precisa de descanso, de aumentar a hidratação e de estimular a prolactina – hormônio que propicia a produção de leite – em especial à noite”, ressalta.

Muitas mulheres vivem em guerra com a balança, mas para amamentar a mãe deve esquecer algumas vaidades e ingerir os alimentos corretos, afinal, o bebê se alimentará do leite.

Dicas preciosas

Alessandra Rebecchi Feitosa dá dicas para viver esse momento, que para ela “é o puro amor transbordando”:

Fique tranquila! Procure ajuda para saber exatamente como colocar a boquinha do neném no seio. O bebê não tem que puxar o bico, mas sim a aréola. Dessa forma não machuca;

Na primeira hora de vida o bebê pode não conseguir mamar, mas vai cheirar, e a temperatura junto com a respiração vai se estabilizar quando ele entrar em contato com a pele da mãe;

Mudar o bebê de posição também evita dores e sofrimento por parte da mãe na hora de amamentar;

A cada mamada limpe o seio com algodão e água morna;

Na hora de amamentar, comece pela mama menos dolorida;

A amamentação ajuda no desenvolvimento dos músculos faciais, por isso tenha paciência e deixe o bebê fazer os movimentos de sucção por quanto tempo precisar.