Atividade física na gravidez - antes proibida, agora recomendada

Reconhecendo os benefícios da atividade física, a maior parte dos médicos garante que as mulheres devem começar ou continuar algum tipo de atividade física quando engravidam. O coordenador da maternidade do Hospital Israelita Albert Einstein, Dr. Wladimir Taborda, indica a caminhada ou a hidroginástica para aquelas que não praticavam qualquer esporte antes de engravidar. As que já praticavam podem continuar, com a recomendação de que durante toda a gestação não tentem ultrapassar seus limites, procurando manter os batimentos cardíacos abaixo da média indicada para a sua idade.

A sugestão só não vale para aquelas que apresentarem algum tipo de restrição determinada pelo médico, como doenças cardiovasculares ou respiratórias. Outra importante indicação de Taborda é que, nas 10 primeiras semanas de gestação, só façam atividades físicas as mulheres que já estavam acostumadas e, mesmo assim, de forma mais moderada. As demais devem aguardar porque é nesse período que ocorre 90% dos abortos espontâneos.

Os mitos, que antigamente faziam a grávida mais parecer uma doente do que uma mulher gerando uma vida, são desfeitos, dia após dia. Antes imaginava-se que durante os exercícios a temperatura dentro do útero subia, atingindo níveis perigosos. Conforme o médico. "Isso não é verdade, no entanto, o bom senso deve ser a tônica, a mulher deve ter em mente que o exercício físico durante a gestação visa somente garantir a conservação física, não é um treinamento. Para saber se está excedendo o limite a grávida deve fazer o teste da fala - enquanto conseguir conversar normalmente estará tudo bem, quando ficar difícil é hora de reduzir o ritmo."

Outro mito antigo está relacionado à pressão arterial. A atividade física na gravidez não provoca alta da pressão, ao contrário, a atividade física ajuda a controlá-la porque estimula a eliminação do excesso de líquidos, uma das causas do aumento da pressão. O médico ainda destaca que "o estresse e a ansiedade da grávida praticante de algum esporte diminuem e ela fica bem-disposta e com a autoestima elevada".

No entanto, os exercícios físicos devem ser imediatamente suspensos quando a grávida apresentar ao menos um dos seguintes sintomas: sangramento vaginal, dor no abdome, dor de cabeça ou alteração na visão, fadiga intensa ou inchaço exagerado no corpo. É importante ressaltar que esses sintomas normalmente não são provocados pela prática esportiva, mas ocorrem devido a algum problema do organismo.

Após o parto, os exercícios podem ser retomados normalmente. Aquelas que fizeram parto normal podem voltar imediatamente às atividades físicas, somente aguardando a cicatrização dos pontos, quando estes tiverem sido necessários. As que optaram pela cesariana precisam aguardar um pouco mais para voltar à carga normal de atividade física, cerca de 40 a 60 dias, e durante esse tempo elas podem praticar caminhadas.

Dica de Livro

A BÍBLIA DA GRAVIDEZ - contém recomendações práticas e tranquilizadoras sobre todos os aspectos da gravidez e dos primeiros dias do bebê, incluindo:


  •  Como se manter saudável durante a gestação.
  • Opções para o parto, com alternativas para o alívio da dor do trabalho de parto.
  •  Lidando com o fator emocional durante a gestação e no pós-parto.
  • Cuidando de si própria depois do parto: nutrição e exercícios.

Escrito por um grupo de especialistas internacionais, a edição brasileira de "A Bíblia da Gravidez" conta com a consultoria editorial do Dr. Wladimir Taborda, coordenador da maternidade do Hospital Israelita Albert Einstein e da Dra. Alice DAgostini Deutsch, coordenadora de Pediatria Neonatal do Departamento de Perinatalogia do mesmo hospital.