Cássia Kiss fala da alegria de ser mãe

Aos 44 anos, a atriz Cássia Kiss embala seu mais novo filho: Pedro Gabriel nasceu no dia 7 de fevereiro. Veio juntar-se aos irmãos Joaquim Maria, de seis anos e Maria Cândida, de cinco. Com 3,4 quilos e 50 centímetros, o bebê nasceu saudável, de parto cesáreo.

Para dar conta dessa "encrenca maravilhosa" que são os filhos, Cássia Kiss assegura que "é preciso estar presente com autorização do coração" e mostrar a direção, sem planejar muito.

Depois de viver a maligna Adma Guerrero, na novela da Rede Globo Porto dos Milagres e encenar a peça Últimas Luas; Cássia Kiss deixou de lado o projeto de voltar ao teatro em junho deste ano.

Alô Bebê - Só aos 38 anos nasceu seu primeiro filho. Qual a razão de esperar tanto por isso?

Cássia Kiss - Não achava produção independente interessante. Durante muito tempo achei que toda mulher deveria ter filhos, mas só foi acontecer mais tarde. Agora, tenho outro relacionamento e a gente está namorando. Talvez, no futuro...

Alô Bebê - Qual o significado da maternidade na sua vida?

Cássia Kiss - É uma encrenca maravilhosa. Filhos são um prêmio para quem tem e para quem não tem. É necessário seriedade e responsabilidade. Nada é mais difícil e desafiador que educar um filho, mais que ser presidente da República, estar numa guerra. É prazer e alegria. E, ainda, educar um filho é uma colaboração como cidadã, como ser humano mais harmonioso.

Alô Bebê - Como foram suas gestações e partos?

Cássia Kiss - Infelizmente foram cesáreas, queria muito normal. Mesmo depois das duas primeiras cesáreas, esperávamos um parto normal. Sempre amamentei, quase sempre por mais de um ano.

Alô Bebê - Como são o Joaquim e a Maria Cândida?

Cássia Kiss - São duas pessoas bem diferentes. Com o Joaquim o relacionamento é mais fácil, mais tranquilo, a palavra move. Já a Maria Cândida é mais independente, sociável e, com ela, tenho que aprender tolerância e paciência. São dois universos bem diferentes.


 

Alô Bebê  - Muda alguma coisa no relacionamento com eles pelo fato de você ser atriz?

Cássia Kiss - Eles sabem que sou atriz, estou na mídia, já viajaram comigo, dormiram em camarim. Mas não me veem fazendo novela, isso é muito raro. Ainda são pequenos, não entendem muito bem e quero conversar com eles sobre o assunto. É esquisito ver a mãe beijando outra pessoa, brigando, acho que é cedo.

Alô Bebê - E como você administra seu tempo com eles?

Cássia Kiss - Abrindo mão de alguns prazeres pessoais. Quando estou fazendo algum trabalho, em evidência, recebo uns 50 convites por semana e é muito raro aceitar, em função dos filhos. Tem que ser tudo muito estratégico para participar, estar presente, almoçar, passar a manhã juntos, colocar na cama pra dormir. Mas tenho que abrir mão de muitas coisas que a profissão torna atraentes.

Alô Bebê - Com o nascimento do Pedro Gabriel, como fica a carreira?

Cássia Kiss - Tinha aceitado um convite para uma peça a partir de junho, mas como começo a gravar outra novela no segundo semestre, não daria para fazer tudo, cuidar dos filhos, da casa, amamentar um bebezinho. Sou uma trabalhadora como outra qualquer. São 24 anos como atriz profissional. A diferença é que ser atriz dói um pouco mais que outras profissões: não se pode deixar uma casa de espetáculo lotada por que se está gripada. E as condições de trabalho no Brasil são muito difíceis.

Alô Bebê - O que é fundamental na educação dos filhos?

Cássia Kiss - A palavra-chave é atenção, o que faz você estar presente. A vida não acontece nem ontem nem amanhã. É preciso estar presente, para eles sentirem, perceberem o sentimento. E, outra coisa, não fazer nada contra você mesma, tomar a melhor direção, porque eles vêm atrás igual bichos, como patinhos. O mais importante é estar presente com a autorização do coração, com amor, sem planejar muito.