Cuidados com o bebê no verão

cuidados no verão

A chegada do verão é também o início das férias escolares, o que para a criançada é sinônimo de diversão. Passeios pelos parques, clubes, brincadeiras com água, piscina e praia. A estação dos pezinhos descalços é para os pais um momento de precauções e cuidados para lá de especiais por conta das altas temperaturas.

Especialistas e mamães atentam para os cuidados com a alimentação, com a hidratação, proteção da pele e com o vestuário mais adequado. Para desfrutar da estação mais quente do ano, confira as principais recomendações.

Pele protegida do sol e dos mosquitos

Como a pele do bebê ainda é muito fina e delicada, precisa ser tratada com o devido cuidado. Exponha o pequeno ao sol somente nos horários recomendados. Os raios solares até as 9h e a partir das 16h são perfeitos para ajudar na síntese da vitamina D – responsável pela absorção e pela fixação do cálcio no organismo – e evitar queimaduras.

“Num país tropical, as crianças não precisam se expor diretamente ao sol por muito tempo. Estudos internacionais mostram que 15 minutos por semana são suficientes. Os recém-nascidos podem receber a radiação por meio de uma janela, por exemplo”, afirma a Dra. Ana Maria Mosca de Cerqueira, presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia – Regional Rio de Janeiro. Ainda assim, bonés ou chapéus são essenciais para proteger a cabecinha do bebê.

O protetor solar faz parte do ritual diário do verão, mesmo para os que não ficam expostos ao sol. Em meio a tantas opções, como saber qual é o protetor adequado para o seu pequeno? De acordo com a especialista, os ideais são os desenvolvidos especialmente para as crianças. Eles contêm maior fator de proteção e são mais aderentes à pele. “Bebês menores de seis meses devem usar filtros solares que tenham na fórmula substâncias físicas, pois são inertes e não prejudicam a pele dos bebês”, indica.

Não tem como ignorar que o calor é também a época em que há maior circulação de mosquitos e pernilongos. Por isso, indica-se o uso de redes de proteção nas janelas, nas portas e nos berços e o uso de repelentes a partir dos seis meses de vida – desde que específicos para essa faixa etária.

O cardápio de verão

Água é sinônimo de hidratação para qualquer idade. Com o calor, a sede aumenta e os incidentes de desidratação também, havendo grande perda de líquido pela transpiração e pela urina. Lembre-se que são necessários, no mínimo, quatro copos de água por dia. Uma alimentação leve à base de muitas frutas e verduras é outro forte aliado no combate à desidratação.

Além da quantidade de água, esses alimentos têm vitaminas e minerais. Uma dica simples para detectar se a criança está desidratada é observar a quantidade e o aspecto da urina, pois ela deve ser abundante e com coloração amarelo-clara. Olhos fundos e sem brilho, boca seca e saliva espessa também acusam o problema.

Para o sinal vermelho não acender, é importante que os pais insistam para os pequenos tomarem água, sucos naturais e chás. A artista plástica Marcia Santos oferece água o tempo todo para a filha Maria Clara, de 7 anos. “Encho o copinho dela e deixo no quarto. Água é mais difícil de a criança ficar tomando o dia inteiro, então vario com suquinho, mate e suco natural”, conta.

No verão, o cardápio da casa da artista plástica não sofre muitas mudanças, ela só acrescenta frutas e sorvete para Maria. “A minha sorte é que ela gosta muito de frutas. As deixo picadas na geladeira para comer durante todo o dia. Evito oferecer chocolate e amendoim, que fazem muito mal nessa época”, completa.

Já para os bebês, a amamentação é uma ótima forma de mantê-los nutridos e hidratados. Até os seis meses, Carol só oferecia leite materno para Luiz Henrique. Hoje o pequeno toma sucos, chás de camomila sem açúcar, papinhas e até picolés caseiros. “Faço sucos naturais, coloco na forminha de gelo com um palito de sorvete e está pronto o picolé. Ele adora!”, ensina.

Conforto para se divertir

Na praia, no campo, ou mesmo em casa, as roupas e o ambiente devem ser propícios para os pequeninos se divertirem ainda mais. Brincar com a areia, correr descalço na grama e jogar bola ao ar livre são momentos da infância lembrados para sempre.

Como conforto é tudo, inclusive na hora da diversão, monte o guarda-roupa de verão dos filhos com roupinhas leves e soltas, como regatinhas e shorts, com sandálias e com chinelos. Tome cuidado, o excesso de roupas pode causar problemas.

Em bebês abaixo dos seis meses, é comum ocorrer obstrução dos ductos sudoríparos, levando à formação de micropápulas na face e nos braços, as famosas “brotoejas”. Quando isso ocorre, o melhor tratamento consiste em lavar a pele do bebê com bastante água e sabão neutro e vesti-lo com roupas leves.

O banho é outro ótimo remédio, mas não exagere. Com o calor excessivo, as crianças enfrentam dificuldades até para dormir. Por isso, um bom banho de água morna antes da soneca é perfeito para uma boa noite de sono. Leve o pequeno ao chuveiro no máximo três vezes ao dia e tome cuidado com a temperatura, a água quente prejudica a proteção natural da pele. Depois de secá-lo, aplique um creme hidratante ou pós-sol feito para crianças – à base de aloe vera ou de camomila – que, além de acalmar, alivia a sensação de calor.

Dicas para aproveitar o verão com as crianças

• Antes mesmo de trocar a criança para ir à praia, ao parque ou brincar exposta ao sol, passe o fotoprotetor pelo menos 30 minutos antes da exposição ao sol, com ela ainda sem roupa. Reaplique a cada hora ou quando ela permanecer muito tempo dentro da água;

• As boas noites de sono só serão garantidas se você a vestir com um pijama ou com macacão levinho e deixar o cobertor de lado;

• Mesmo que decida passear com o bebê no carrinho, tenha sempre em mãos uma toalha ou lenços umedecidos para refrescá-lo;

• Desligue os ventiladores quando eles estiverem por perto. Para o adulto, tudo bem, mas para os pequenos o vento pode ser muito forte e frio;

• Ofereça líquidos durante todo o dia. Sucos naturais, chás, água, e, se o bebê ainda mama, o leite materno, que também hidrata;

• O excesso de cloro das piscinas pode provocar alergias. Por isso, prefira os sabonetes bactericidas, eles previnem micoses, bactérias.