Desenvolvimento da leitura e da escrita

 

Até os sete anos de idade, em média, a criança deve ter as funções cognitivas pronta para ler e escrever. Respeitando-se diferenças e características individuais, claro. Em alguns casos, já aos quatro anos alguns baixinhos identificam letras e palavras e arriscam hipóteses de leitura. Outras crianças só irão desenvolver de fato essa possibilidade aos seis ou sete anos de idade.

Mamães e papais que evitem a ansiedade. A idade não é o mais importante, é a maturidade de cada um que irá determinar se suas funções estão prontas para a aquisição da leitura e escrita. Criar oportunidades no ambiente familiar, oferecendo meios para a criança compreender a função social da escrita e da leitura, é o primeiro passo. Mas, como fazer isso?

Para contribuir no processo de desenvolvimento da leitura e da escrita é importante permitir o acesso a textos de diversos tipos desde o contato com jornais e revistas - inclusive a lista telefônica - até as experiências mais simples, como acompanhar a mãe no preparo da lista de compras, na redação de um bilhete ou na cópia de uma receita, vale quase tudo. A criança que desde cedo manipula livros e ouve histórias contadas a partir deles entenderá mais depressa "para que serve" ler e escrever.

A percepção dessa função social da escrita e da leitura é enfocada na escola a partir dos dois anos de idade, quando os pequenos iniciam um convívio cotidiano com o nome próprio para identificar seus objetos pessoais. "Mas a parceria com a família é indispensável nesse processo de entender o que há por trás das letras", afirma a orientadora pedagógica e educacional Cláudia Mileo Moura, da unidade de Educação Infantil do Colégio Pentágono.

Descoberta das regras

Ela explica que não existe receita para o desenvolvimento da leitura e da escrita porque as crianças atravessam várias hipóteses no processo de descoberta das regras. "É, então, necessário o acompanhamento de um profissional capaz de intervenções adequadas para a criança arriscar nessas hipóteses e progredir na construção do conhecimento." A presença de outras crianças e as atividades em grupo enriquecem essa experiência e proporcionam um avanço mais significativo no desenvolvimento da leitura e da escrita, diz Cláudia.

Uma das formas hoje mais utilizadas no desenvolvimento da leitura e da escrita, ao contrário das cartilhas e repetições intermináveis de algumas décadas atrás, é a oferta de fontes de informações, ou as chamadas palavras estáveis, já conhecidas das crianças, como, por exemplo, o próprio nome e o dos colegas.

As palavras estáveis funcionam como repertório de letras com correspondências sonoras, enfim, como matrizes de referência a partir das quais as crianças se aventuram a escrever palavras cuja grafia ainda desconhecem. Ou seja, a construção da escrita acontece a partir da própria reflexão infantil sobre a lógica interna da escrita alfabética.

Também através de parlendas se propõe a escrita de textos memorizados. Quando as crianças já conhecem o texto, preocupam-se com a forma. "Essa é a ideia: oferecer referências para que se sintam seguros para arriscar", assinala a educadora.

Aprendendo com prazer

Uma regrinha é básica em todo esse processo: alimentar o prazer dos futuros leitores. E para isso, as escolas de educação infantil adotam cada vez mais a prática dos projetos pedagógicos. A partir de um tema gerador, que funciona como motivação ou álibi para inúmeras atividades, o objetivo é conciliar tendências atuais e estudo. A construção do conhecimento é sistematizada e cada etapa do projeto fornece informações e estruturas para a seguinte.

Vale o estudo de músicas, reportagens de jornal, livros, enciclopédias e internet, obra de pintores e escultores. Já parou para pensar no universo de atividades que temas como o corpo humano, animais, transportes ou alimentos, por exemplo, podem levar para a sala de aula dos pequenos?

Nesse contexto, a reflexão dos educadores sobre a própria prática é o que irá lhes permitir entender os processos internos e as aquisições das crianças e optar pelo melhor caminho para que avancem na construção do conhecimento.

A conquista da base alfabética

Níveis de conceitualização das crianças

Pré-silábica - a criança ainda não sabe que a escrita pode representar a fala.

Silábica

a) as hipóteses da criança não têm valor sonoro;

b) já atribui valor sonoro às letras, mas ainda deve descobrir que não basta uma única letra para cada emissão sonora.

Silábico - Alfabética - A criança escreve partes da palavra com uma letra só para cada emissão sonora e duas ou mais letras para outras.

Alfabética - A criança atribui valor sonoro às sílabas, nessa fase, a escrita é mais próxima da linguagem convencional.

Veja os posts mais curtidos na Alô Bebê

Museus interativos nas férias

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Etiam convallis odio dolor, at vehicula dolor venenatis ut. Sed sollicitudin, justo id ornare iaculis, nunc tortor eleifend.