Elaine Mickely, César Filho e Luma - uma super família


Quem tem a oportunidade de conhecer César Filho e Elaine Mickely, um pouco mais de perto, descobre que os dois formam um casal perfeito, junto com a Luma, de dois meses e meio. Independente de optar pela carreira artística, os pais famosos de Luma querem que ela seja feliz e realizada.

Elaine Mickely iniciou sua carreira como modelo em São Paulo, trabalhando em agências como L Equipe e Elite.

Paralelo à profissão e aos estudos, fazia curso de teatro, mais tarde, a oficina da Globo, a exemplo de Viviane Pasmanter, Carolina Pasmanter, Carolina Kasting, André Segatti e Rodrigo Faro. A partir daí, foi convidada por Wolf Maia para fazer o seu primeiro trabalho: a minissérie da Globo Hilda Furacão, onde fez o papel da Camarada Rosa. Logo após, fechou contrato de exclusividade com a emissora, começando a atuar na Escolinha do Professor Raimundo.

Elaine Mickely quer continuar trabalhando muito, seja em TV, cinema ou teatro: "não tenho preferência por esta ou aquela mídia. Uma completa a outra", afirma.

Alô Bebê - Elaine, você interrompeu sua carreira para ser exclusivamente mãe?

Elaine Mickely: Na verdade eu tenho contrato de exclusividade com a Globo até agosto de 2001. Eu só parei em função da licença-maternidade. Em nenhum momento abdiquei de minha carreira em função de ser mãe.

Em dezembro acaba a minha licença e volto a trabalhar, não sei se propriamente na Escolinha ou uma novela, minissérie ou algum outro programa que esteja nos planos da Globo.

Todo mundo concilia a carreira com as atribuições de mãe e não serei exceção à regra. Além do mais, existe muita gente querida que está próxima da Luma, além de mim e o César. Foi um intervalo normal em minha carreira, tenho muitos planos para o futuro!

Alô Bebê - Durante todos esses meses de licença, você, naturalmente, esteve e está muito próxima de sua filha. Como está sendo essa experiência?

Elaine Mickely: Ela (Luma) tem direito à minha dedicação exclusiva. Eu fiquei enlouquecida, apaixonada por minha filha. É um sentimento muito grande que não consigo definir. Estar com ela o dia todo, e observar suas diversas reações a cada momento, é uma alegria constante, ainda mais agora que nossa casa está ficando pronta! O quartinho da Luma ficou uma graça, e como vamos morar em cobertura, providenciamos uma piscininha só para ela.

Alô Bebê - O que mudou na sua vida com a vinda da Luma?

Elaine Mickely: Muita coisa. É uma responsabilidade muito grande, em todos os sentidos. Mas é uma responsabilidade muito, muito boa. Também tenho o César ao meu lado, e ele é um pai e uma pessoa maravilhosa. Posso dizer que estou mais feliz do que nunca. A Luma é um presente que conciliou o amor que sempre existiu entre mim e o César.

Alô Bebê - E no dia a dia, você cuida dela?

Elaine Mickely: Tenho todo o prazer em fazer isso! Cuido de suas roupinhas, de sua alimentação, saúde, higiene, tudo!Além do mais, a Luma tem boas assessoras (tios, avós etc) e ainda não confio inteiramente em babás, pelo menos enquanto ela for assim, tão pequenina. A Luma é super tranquila. Só chora mesmo quando quer mamar, ou tem alguma cólica.

Ela é parecida com o pai, no comportamento e na aparência! No começo eu fiquei com um certo medo de lidar com um ser tão frágil, delicado. Mas está dando tudo certo e, como a minha sogra diz, eu sou uma super mãe!

Alô Bebê - O que você sonha para a Luma?

Elaine Mickely: O que todo pai ou mãe sonha para o filho: a completa felicidade. Não importa o caminho que ela venha a escolher, contanto que se realize na vida, que seja feliz. E eu quero sempre apoiá-la, estar próxima dela. Também incluo irmãozinhos na sua vida. Adoro família grande, e isso também será muito bom para ela no futuro: poder contar com pessoas queridas.

Alô Bebê - César, você sente falta da Luma, quando está na rádio?

César Filho: Lógico. Eu vivo dois momentos. O primeiro é mais difícil, quando saio de casa e quero ficar mais um pouquinho com ela. Nessa hora ela está mais esperta, mais bem humorada. É uma luta contra o relógio!

O momento bom é a volta para a casa. Ela e a Elaine preparam uma verdadeira recepção para mim, e sempre estão muito felizes, em qualquer situação que seja. Isso é muito gratificante.

Alô Bebê - Vocês são pessoas conhecidas. Conseguem sair às ruas com ela, como fazem todos os pais, sem interferências desagradáveis?

César Filho: Não temos problemas quanto a isso. Existe uma curiosidade natural das pessoas em conhecerem a Luma, saber sobre o nosso casamento, essas coisas. Como a gente está acabando de montar nossa casa, estamos indo com frequência ao shopping, e é inevitável sermos parados para cumprimentos, para que as pessoas brinquem com ela, mas isso acaba sendo muito bom.

Alô Bebê - O que você acha da Elaine, no papel de mãe?

César Filho: Maravilhosa. Ela possui uma felicidade tão natural e espontânea pela fato de ser mãe, que contagia e até emociona a gente. Ela demonstra isso de uma forma muito especial e clara, e cuida da Luma sempre com muita felicidade. Em nenhum momento a vi irritada, pelo fato de ter que levantar de madrugada, por exemplo.

Antes de tudo, a Elaine é muito dedicada, carinhosa, brincalhona. Não só como mãe, mas também como esposa. Ela consegue extrair a magia do cotidiano, possui um amor explícito.

Às vezes meus amigos me convidam para sair e eu digo que não posso, pois tenho duas mulheres maravilhosas me esperando em casa, embora não nos privemos de nada, até que saímos bastante.

Alô Bebê - O que mudou em sua vida, com a Luma?

César Filho: Muita coisa. A visão de futuro, por exemplo. A gente fica com muito mais vontade de batalhar e prosperar sempre. Querer sempre o melhor para ela.

Alô Bebê - O que mais o preocupa, já que a Luma vai crescer num mundo como este?

César Filho: Tudo. Milhões de coisas passam pela minha cabeça...Nos primeiros dias, logo que ela nasceu, cheguei a ficar muito apreensivo, até certa forma assustado, mas ao mesmo tempo, e por outro lado, é muito, muito compensador. O fato de poder constituir um família (um antigo sonho que eu tinha), me dá uma imensa força, e a vontade de querer progredir em todos os sentidos, para oferecer mais segurança a ela, suplanta toda essa ansiedade e preocupação, é fabuloso!

O prazer, a alegria, o sonho, são muito maiores que qualquer preocupação. Isso até me faz rejuvenescer e me traz uma fonte inesgotável de vida.

Alô Bebê - E agora, virá um menino?

César Filho: Queremos sim ter outro filho. Teoricamente, se for do sexo masculino, a família fica mais completa. Mas não me importo com isso. Quero uma criança cheia de saúde e alegria. Além do mais, dizem que menina é mais carinhosa, faz mais companhia ao pai (risos). Queremos que o irmão de Luma seja abençoado por Deus, assim como ela foi e continua sendo.