Compartilhar com
 

Making of infantil

 

A moda que parecia “coisa de gente grande” chegou ao mundo dos baixinhos, agora é comum o making of infantil. Se as noivas já estão habituadas a registrar cada momento do seu grande dia, as mamães dos recém-nascidos também encontraram a chance de eternizar momentos tão especiais, como o batizado e o primeiro aniversário.

Cátia Herrera e Marcelo Vita, fotógrafos e sócios, são especialistas em making of infantil pré-festa. “As fotos não são feitas no dia, mas durante a semana do evento para que a criança e os pais estejam mais relaxados. Constam no álbum cliques dela acordando, se alimentando, brincando, tomando banho e se arrumando”, conta a fotógrafa. Uma sessão fotográfica dura algumas horas e a coleção com 30 fotos chega a custar R$ 600.

O que esperar do making of infantil

Sem a pressão do dia a dia, ou a euforia causada pela festa, a criança se comporta espontaneamente. De toda forma, trabalhar com o público mirim exige certas habilidades daquele que detém a câmera, e uma boa dose de paciência. O ideal é fazer tudo no tempo delas, deixar que corram, pulem e brinquem.

Conte com imprevistos, “há crianças um pouco constrangidas. No início, deixo que se acostumem comigo. Nunca vou pressioná-las para uma foto padrão, olhando para a câmera e sorrindo, tenho que captar cada momento da forma mais realista possível”, aponta Érika Muniz, fotógrafa especialista em registro infantil, e no novo formato smash the cake – tendência americana que fotografa a criança brincando com o bolo ou com docinhos de festa, se lambuzando pra valer.

Esse tipo de ensaio tem como inspiração o trash the dress, em que casais protagonizam ensaios pós-casamento vestidos a caráter, como no dia em que se casaram, sem medo de estragar o vestido de noiva, mergulham no mar e em piscinas, rolam na areia, entre outras cenas do gênero.

Como a comunicação verbal com estranhos nem sempre é assimilada por bebês, a ajuda e opinião dos pais são valiosas. Eles incentivam os pequenos modelos a protagonizar em momentos e poses naturais dignas de cliques inesquecíveis.

Um sorriso, uma careta ou uma expressão típica que só os pais sabem dizer. O papai e a mamãe ainda têm opção de usar as fotos do ensaio pré-festa para compor a decoração da festa de aniversário, ilustrar lembrancinhas ou convites.

Qual cenário escolher?

 

A criatividade, a segurança e o improviso são ingredientes importantes para um bom making of infantil. Ao ar livre, em seus quartos, tomando banho, brincando com o animal de estimação, ou com as roupinhas e acessórios que usarão no dia da celebração de um ano, estão no ranking dos ensaios mais pedidos. “Quando eles começam a engatinhar, o melhor seria levá-los para um parque ou lugares ao ar livre”, indica Cátia.

Para Érika, o lugar ideal para fotografar é no próprio estúdio, onde há controle da temperatura, da iluminação e tem toda a infraestrutura necessária para o bebê.

Planeje nos mínimos detalhes

Apetrechos do dia a dia, um brinquedo preferido, objetos decorativos, tudo é válido para tornar a cena ainda mais interessante. Converse com o profissional que vai fazer as imagens e estabeleça uma linha, um motivo. Discuta sobre cores, enquadramentos, ou seja, não fique com dúvidas ou com a sensação de que poderia ter sido diferente.

“É importante saber exatamente o que os pais esperam do ensaio”, afirma Érika. Por isso, combine os detalhes com antecedência e tenha tudo à mão na hora dos cliques, para não perder tempo e nem esgotar a paciência daquele que é o ator principal desse ensaio.

Cuide do bem-estar do seu filho

Seja como for e onde for o making of, é preciso que os responsáveis pela criança reconheçam os limites. Um modelo cansado, não será fotogênico como se espera. Não se pode exigir que o pequeno pose durante horas para a câmera. O que era para ser prazeroso acaba se tornando uma rotina estressante. “Embora estas sejam exigências da sociedade moderna, cabe aos pais avaliar o quanto seus filhos conseguem lidar com todas essas atividades, para que não passem a ser uma fonte de problemas”, indica a psicóloga Yasmim Da Ibs.