Ticiane Pinheiro: Mãe em tempo integral

Quem vê Ticiane Pinheiro estampando capas de revistas, editoriais de moda e campanhas publicitárias não imagina a guerreira que existe por trás dessa linda mulher. Mãe da pequena Rafaella, de cinco anos, a apresentadora não abre mão dos momentos em família. Nos fins de semana, por exemplo, ela dispensa a babá para curtir a companhia da filha. Dias atrás, a dupla foi ao cabeleireiro e Rafa adorou fazer escova e pintar as unhas. “Eu era contra essa história de meninas muito novas já começarem a se arrumar, mas ela aproveitou muito. Foi a primeira vez que fizemos isso juntas”, revela. Filha de Helô Pinheiro, a eterna Garota de Ipanema, Ticiane morou por muitos anos no Rio de Janeiro e começou a carreira artística aos sete anos de idade. Atualmente, comanda o “Programa da Tarde” ao lado de Ana Hickmann e Britto Junior. Exibido ao vivo de segunda a sexta na Rede Record, o trabalho faz com que ela colha os louros de uma trajetória de sucesso. Aos 38 anos, é uma das personalidades mais populares do Brasil. Segundo pesquisa publicada na revista Veja, a apresentadora tem 1,2 milhão de citações no Google – número que ultrapassa atrizes globais, como Glória Pires e Flávia Alessandra.

Alô Bebê: Como você faz para apresentar um programa diário ao vivo e cuidar da Rafa?

Ticiane Pinheiro: Minha rotina é bem puxada. Acordo cedo porque faço questão de levar minha pequena ao colégio. Quando o programa termina, saio correndo para ficar com ela. Dou banho, jantar, coloco-a para dormir e, claro, brincamos muito. Meus dias são corridos, mas posso dizer que é um ritual que me faz recarregar as baterias e que me enche de amor, de disposição e de energia.

Alô Bebê: No ano passado, você e o apresentador Roberto Justus se separaram depois de ficarem casados por oito anos. Como sua filha reagiu a essa situação?

Ticiane Pinheiro: Eu e o Roberto temos uma relação muito madura e respeitosa. Fizemos tudo calmamente e
conversamos muito com a Rafa. Explicamos que a mamãe não iria mais morar com o papai e que ela teria um quarto em cada casa. Até hoje tudo é muito natural. Ele me liga e pergunta se pode buscar a filha para passear e brincar. Sempre digo que sim e ela adora, gosta de conviver com as duas famílias e tem um contato muito bacana com os outros irmãos.

Alô Bebê: Como se sentiu durante a gravidez?

Ticiane Pinheiro: Engordei 16 quilos, mas perdi rápido e já saí da maternidade com sete quilos a menos. Não tive enjoos e desejos mirabolantes, mas adorei cuidar, amamentar e curtir cada segundo. Tive a ajuda da minha mãe e de uma enfermeira, a Marlene, que está comigo até hoje e é um anjo da guarda.

Alô Bebê: O que mudou na sua vida depois que se tornou mãe?

Ticiane Pinheiro: Tudo. Mudam as prioridades. Minha filha vem em primeiro, segundo, terceiro e quarto lugar. Acho que ser mãe é uma experiência divina que toda mulher deveria ter. Se pudesse definir o que a Rafa significa para mim, resumiria em duas palavras: amor e sorriso. Ela é tudo, minha vida, minha fortaleza e meu coração. Sempre achei que fosse ser mãe de menino porque sou muito espoleta, mas
hoje só me vejo como mãe de menina, minha filha é extremamente companheira.

Alô Bebê: Apesar de ser muito assediada pela imprensa, a Rafa adora tirar fotos e brincar com os jornalistas. Você acha que ela vai seguir seus passos?

Ticiane Pinheiro: Eu e o Roberto nunca forçamos nada. Ela sempre gostou de tirar fotos e terá meu apoio total se
um dia quiser seguir a carreira artística. Mas, por enquanto, eu procuro preservá-la. São inúmeros
convites para desfiles e editoriais, não aceito porque não quero impor ou forçar uma situação. Tem
que partir dela e ser natural, se não não vale. E o principal de tudo é que ela esteja feliz.

Alô Bebê: Como você usa o tempo que está com a Rafa?

Ticiane Pinheiro: Busco o que resta de energia para brincar com ela. A Rafa inventa mil detalhes para as brincadeiras. Faz uma escola em que as bonecas são as alunas, ela é a mãe de todas e eu sou a professora. Cria as mais variadas situações. E, no meio disso tudo, eu incluo, por exemplo, a leitura. Me emociono vendo minha filha ler as primeiras palavras e frases!