Trabalho de parto: o que fazer quando o seu começar

Trabalho de parto

Ele é inevitável e pode começar em situações nada apropriadas. O trabalho de parto é necessário para o nascimento do seu filho e, se você está perto de completar os nove meses de gestação, fique atenta aos sinais, pois nada melhor do que saber tudo o que você irá passar para manter tudo sob controle!

Tem gestante que fica tão ansiosa para a vinda do bebê que confunde o início dos sintomas do parto com gases, indigestão e dores na lombar. Outras futuras mamães só percebem quando já estão em estágio muito avançado, pois o trabalho de parto acontece aos poucos, e pode levar horas ou dias. Em alguns casos, em torno de 15 dias antes do nascimento, a mulher pode perder o tampão mucoso, uma camada gelatinosa que impede a comunicação entre o útero e o meio externo. Se isso acontecer com você, avise o seu médico.

Como ele é imprevisível, você precisa deixar tudo pronto com antecedência. A mala da maternidade deve estar arrumada, os telefones de emergência devem estar visíveis em diversos locais e o hospital ou local da casa onde você dará à luz já deve ter sido escolhido. Tente não passar muito tempo sozinha para ter o apoio de uma pessoa de confiança quando a hora do parto finalmente chegar.

SERÁ QUE JÁ COMEÇOU?

São três os sintomas que indicam que você já está em trabalho de parto: contrações, dores e rompimento da bolsa. Sinais como diarreia, barriga baixa e muita disposição podem acontecer um ou dois dias antes, mas ainda não são consideradas trabalho de parto.

Para as futuras mamães, distinguir contrações falsas, chamadas de contrações de Braxton Hicks, das verdadeiras é o maior desafio, pois, conforme o grande dia se aproxima, contrações que não são dolorosas podem acontecer. As contrações que devem te deixar em alerta incomodam e, conforme o tempo passa, vão se tornando mais doloridas e intensas, na região das costas e do abdômen, dificultando a fala, a respiração e as caminhadas.

Pode ser difícil de contar, mas é quando as contrações estiverem regulares é que você estará, oficialmente, em trabalho de parto. Para isso, o intervalo entre elas deve ser de cinco a sete minutos durante, no mínimo, uma hora, com pelo menos trinta segundos de duração cada uma. Se elas não avançarem ou fizerem uma pausa maior, comece a contar do zero outra vez.

Quando isso acontecer, você já pode ligar para o profissional que fará ou auxiliará o parto e aguardar a orientação, que vai depender do seu histórico médico. Deixe-o informado sobre as mudanças e também sobre os horários, pois mulheres que serão mães pela primeira vez passam por mais ou menos 16 horas em trabalho, enquanto que as mamães experientes têm metade deste tempo. Geralmente, as doulas chegam após receber a ligação, enquanto que os médicos podem pedir para você esperar mais um pouco.

A ruptura da bolsa é um sinal gritante de que o nascimento se aproxima. Você pode até achar que é xixi, pois incontinência urinária é um sintoma da gravidez, entretanto, o líquido amniótico é transparente. Às vezes, pode apresentar coloração esverdeada, que é sinal de que o bebê evacuou, então preste atenção para pode reportar para o especialista. Ele pode sair em grande volume ou não, dependendo se a bolsa se rompeu por completo ou não.

Lembre-se que você não precisa estar sentindo contrações para que a bolsa se rompa, especialmente no caso de partos prematuros, pois cada parturiente apresenta sintomas específicos. No entanto, se este for o primeiro sinal que você notar, ligue para o seu médico imediatamente.

E AGORA, QUE COMEÇOU O SEU TRABALHO DE PARTO?

Mantenha a calma. Enquanto as contrações não são intensas, você pode fazer algumas tarefas, como tomar banho e se alimentar, tentando descansar para dar à luz. Evite caminhar, pois as dores podem causar uma queda! Se estiver sozinha, peça para que alguém faça companhia. Aproveite para deixar a mala da maternidade no carro ou perto da porta, porque na correria, ela pode acabar ficando para trás.

Quando for o momento de ir para o hospital, você será recebida por um plantonista, que fará avaliação clínica para chamar o médico responsável, o que quer dizer que você já não precisará voltar para casa. Exames como cardiotocografia e ultrassom também são realizados para verificar a saúde do bebê.

Depois da conferência, a grávida espera em uma sala de pré-parto ou no quarto onde o nascimento acontecerá. Você ficará algumas horas neste local suportando as contrações, pois a analgesia e a anestesia só são aplicadas quando as dores forem muito intensas e se você quiser.

Quando você tiver mais ou menos 10 centímetros de dilatação, você pode começar a fazer força, de acordo com a chegada das contrações. Os médicos consideram que, a partir de então, o seu bebê tem entre 40 minutos e duas horas para nascer saudável. Caso isso não ocorra, é possível fazer a indução com o hormônio ocitocina, utilizar o fórceps, uma prática que tem sido pouco recomendada, ou decidir por uma cesariana. Se você estiver acompanhada por uma doula e um obstetra em casa, eles avaliarão se as condições para dar sequência ao parto são seguras ou se você deve ir imediatamente ao hospital em uma ambulância.

Após o nascimento do bebê, da forma que você escolheu para ele, o trabalho de parto continua, pois é preciso eliminar a placenta. A expulsão leva mais 15 minutos, e você nem sentirá dores, pois a emoção de ter o seu pequeno nos braços é muito forte. Se isto não acontecer dentro deste período de tempo, o médico deverá retirá-la.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), na primeira hora de vida, o bebê deve ser amamentado. Ofereça o peito ao seu filho e estabeleça o contato pele com pele, essencial para criar vínculos e reconfortar o pequeno após a sua chegada ao mundo.

Espero que tenham gostado do texto que a Alô Bebê preparou sobre trabalho de parto e que ele possa ajudar as futuras mamães a tirar de letra esse período de transição entre a gravidez e o início da vida do bebê.